Feeds:
Posts
Comentários

Tudo bem. Tenho consciência que nem conhecemos. Que nunca ouvi da tua boca mais de duas dúzias de palavras. Não do modo convencional da coisa, estar um de frente pro outro, conversar, ver a maneira que tu te gesticulas, tuas gírias, risada, trejeitos durante um diálogo. Não, não tenho nada disso. Mas uma coisa eu tenho e é bem maior do que isso. Uma vontade desconcertante de te ter. Desde o momento que bati os olhos em ti. Aquela coisa patética, platônica e utópica. Olhar pra todos ao redor e não conseguir a soma que só de olhar pra ti, eu conseguira.

Se vivêssemos em um momento de pouca facilidade à informação, talvez essa sede de te ter não demorasse mais de algumas horas. O problema é que não funciona mais assim. E ter me interessado por ti, ultrapassou o limite de um flerte ou algo do tipo. Mergulhei de cabeça e tentei descobrir o máximo que podia. E curiosamente, quanto mais descobria, mais tinha certeza do quanto te queria pra mim.

Não, não desse jeito esteriotipado e convencional. Poderia ser do jeito que quiséssemos que fosse. Sem padrões, rótulos, limites, nada. Te queria. E muito. O que fazer se nem sabes quem eu sou? Como te convencer de que não seria favor nenhum da tua parte? Como te explicar que se tiveres a chance de saber o que eu sou, a recíproca será perfeitamente igual? Como conseguir dissertar o que eu senti, quando te vi expressando todas as tuas emoções possíveis? Que entre gritos irracionais ao meu redor, eu estava bem ali, dividindo contigo, a tua dor, paixão e tudo mais que coubesse naquele momento?

Não consegui até agora, achar uma maneira de dizer isso pra ti. Só me cabe esperar e tentar encontrar uma forma de fazer isso acontecer. Enquanto isso, me sustento com migalhas que são incompreendidas por outrem. E eu nem me importo com isso, só o que eu queria era uma maneira de te tocar. Não só o toque físico, o que eu obviamente, também imagino de várias maneiras. Porém, agora me refiro ao toque abstrato. Dividir contigo as minhas loucuras, que não são poucas e as tuas, que pelo pouco que posso dizer, já percebi que também são diversas.

Apesar de parecer uma coisa de adolescente, um dia, vou te contar como tudo começou, o que eu fiz por conta e até mesmo esse texto. Nem que seja durante um dia. Quero conhecer o que há de mais íntimo, louco, forte, dócil. Posso ter que atravessar meio país pra isso. E por um único dia.

Pra mim
Basta um dia
Não mais que um dia
Um meio dia
Me dá
Só um dia
E eu faço desatar
A minha fantasia
Só um
Belo dia
Pois se jura, se esconjura
Se ama e se tortura
Se tritura, se atura e se cura
A dor
Na orgia
Da luz do dia
É só
O que eu pedia
Um dia pra aplacar
Minha agonia
Toda a sangria
Todo o veneno
De um pequeno dia

Anúncios

Sempre tive muito medo de sertanejo, dessas duplas que usam calça apertada, estourando os pobres bagos e têm letras terrivelmente ruins e detentoras de chifres por todos os lados.
Para quem não sabe, agora moro na Bahia e, ou eu tenho me relacionado muito mal, ou as pessoas realmente gostam desse tipo de música(?) pelas bandas de cá.
Moro com duas sertanejas da cidade, somos muito unidas e gostamos de farras. Sendo assim, as cervejadas e faxinas-amigas são regadas a música(?). Eu, democrática como sempre fui, passei a ser obrigada a ouvir e entender até mesmo que o antes: “ JorgeMateus,” na verdade se tratava de Jorge e Mateus. Sim! São duas pessoas e pasme: diferentes.
Dia desses elas fizeram alguma coisa sobrenatural comigo e , quando dei por mim, já possuía um ingresso para o show de Aviões do Forró e Vitor e Léo + dez bandas com nomes como: “cavalo chucro”, “rasta a pereba no asfalto“ e afins. Graças a Nossa Senhora do Ouvindo Limpo eu despertei deste sono profundo e consegui, no último momento, me desvencilhar de tão temido pedaço de papel metálico e minha força pôde prevalecer.
Este texto meio sem pé nem cabeça na verdade é um pedido de socorro, um apelo a meus amigos e leitores deste blog. Sinto medo de dormir e acordar com alguma espécie de Tratamento Ludovico da Música Ruim feito em mim: fios por todos os lados, olhos esbugalhados, cantando que a vida é boa porque algum sapo caiu na lagoa e achando isso super legal.
Alguém me salva, alguém educa as meninas, alguém me apresenta pessoas que gostem de músicas legais ou se preferir envie CDS decentes para minha residência, serão extremamente bem-vindos.
Sinto muito medo.

P.S.: Bregoso, aparelhagens, saudade de vocês.

Dedicado à Marília e Luana, as duas pessoas de mau gosto mais legais para se morar junto (L).

Lora Cirino

Por Lora Cirino

O que mais me dá raiva não é nada não, é esse cantinho da tua boca que teima em subir com esse charme terrível toda vez que tu falas. Me deu uma raiva tão grande na primeira vez que eu percebi que eu não estava conseguindo escutar nada ao meu redor, porque os teus olhos meio caídos, desviando o olhar a toda hora me davam tanta fraqueza nas pernas, que abalavam minha audição. Me deu tanto ódio perceber que eu tava totalmente perdida, que eu não queria querer mas que muito menos conseguia evitar que todo mundo percebesse. E aí as coisas começaram a sair da minha boca, eu tentava parar, não conseguia. Como se não fosse suficiente, veio um sorriso terrível entre um gole e outro, esfriou minha espinha, eu sabia que meus cílios tremiam de tanta vergonha e pior, de tanta vontade de entrar em ti e, como diria uma amiga minha, te comer com colherzinha.
Eu desviava o olhar pra toda aquela multidão, pra toda aquela festa e música, alguma coisa tinha que me chamar mais atenção que tu, até que, de novo: o olhar, o canto da boca, o jeito de falar, os olhos caídos e não tive outra escolha a não ser entrar em ti e me enroscar com toda a força possível, morrendo de raiva daquela situação. Aquela vontade de não sair nunca mais dali e principalmente aquela maldita fraqueza nas pernas.
Só estando ali, dentro de mim pra entender o que estava havendo, entende? Lógico que entende! Não tinha como! Não dá pra evitar o inevitável, porque é feitiço sabe? É isso, seu bruxo maldito! Bruxaria, coisa ruim, hipnose.
É por isso que me sinto quase a Luana Piovanni e te digo: mantenha distância.

 

Já que eu não posso te levar, quero que você me leve.

Leve.

Leve…

Por Moara Brasil

Estou dentro de um túnel, e não enxergo o fim. É difícil, dói na alma. Mas a minha única força para seguir esse caminho é acreditar em algo que é abstrato, que não existe, que é fruto das minhas esperanças.

Será algo esquizofrênico? Será apenas uma imaginação louca de que um dia poderei sorrir para as paredes sem me preocupar com as rachaduras?Não sei, às vezes o chão me puxa com tanta força que eu chego a me bater e ficar cheia de hematomas.

É uma inconstante, às vezes estou em êxtase, às vezes estou na lama. É bipolar, dá medo. Estou vulnerável até com o vento da garoa.

Penso que doer faz parte, é mais uma daquelas crises que qualquer ser humano tem que passar para conseguir se entender um dia.

Quero ficar desnuda, saciar minha libido toda vez que chega o fim de semana. Para estranhos? Para aqueles que não me conhecem, que não sabem quando eu entro em êxtase com o toque naquele lugar que poucos, bem poucos, conhecem. Só quem sabe da minha intimidade entende. Dá abuso, dá preguiça conhecer os outros e ter que se apresentar com respostas de questionário. Não quero isso, prefiro caminhar só. E acho que o melhor ainda é tentar viver só por um tempo, conviver consigo mesmo.

Preciso de doses de felicidades, preciso de doses de alegria. Agora só tenho doses de melancolia, mas eu resisto. Quando sinto que meu corpo está caindo, que meu coração aperta e que tenho aquelas sensações femininas com doses intuitivas. Dá um desespero.

Não quero chorar, não quero isso para mim. Chorar sempre cansa. Se amar de menos destrói, mata.

Eu choro para não gritar, para não bater na parede, para não ficar repetindo para mim mesma que eu posso estar errada, que eu posso ter me enganado com essas decisões de adulta. Futuros opostos, amores com direções contrárias.

O pior de tudo é o ócio, esse sim é droga para o vazio se explodir e sair voando. Cabeça ocupada é o que procuro. Cabeça com outros problemas, problemas dos outros. Os meus, pouco importa.

Posso estar me alienando, pode ser uma fuga, válvula de escape. Fico o dia inteiro não pensando em mim, e sim tentando crescer para os outros serem maiores, mas quando chega à noite, ela me carrega, eu flutuo na almofada… E as lágrimas inundam meus lençóis. Preciso viver, preciso de histórias. Preciso de sexo com intimidades e brincadeiras de casal. Preciso sorrir de novo. Eu vou conseguir.


akatsuki_crazy_dance_by_nennisita1234

Diálogos ordinários (nos sentidos mais variados da palavra).

“Eu gosto de homem fiel.”
“Eu gosto é de homem viril.”
“Eu gosto de homem, não importa como, se é fiel, viril.”

Morar numa república com tanto gay não me faz bem, definitivamente.

São Paulo, assusta e atrai com a mesma intensidade. Quando pisei nessa cidade, senti um calafrio. Me levaram logo na rua Augusta, lembrei daquela musica dos mutantes “Subi a Rua Augusta a 120 por hora/Botei a turma toda do passeio pra fora/Hi hi Jonhy, Hi hi Alfredo, quem é da nossa gang não tem medo..”

Nossa!!Muitas pessoas diferentes, pessoas estranhas e bonitas exageradamente. Gostei. Gostei de pisar assim neste lugar, mesmo vindo de uma cidade tão diferente, que eu sou apaixonada: Belém.

Chorei, derramei lágrimas em São Paulo pois senti um medo, mas me apaixonei pela avenida Paulista inteira, amei cada olhar de pessoas estranhas que me olhavam, dos paulistas curiosos, das meninas estilosas. São Paulo encanta.

O metrô, talvez ele represente o que é morar aqui, é ser rápido, é não ver o tempo passar e nem ver a luz do sol se pôr. Mas São Paulo nada tem de cinza, tem de contrastes. Quem perde o tempo perde o metrô, ou ainda pode ficar engatado na porta e se dar mal. É assim, faça logo ou você se lasca. Seja esperto, menino!

Parece uma obra barroca, um jogo de claro e escuro. Ou os caminhos da Pop Art. São Paulo tem grafites nos seus túneos, nas suas lojas, nas suas paredes que eram cinzentas. São Paulo é outro mundo, é tudo o contrário do estereótipo que sabemos pela TV pública. Ah! São Paulo…

Quero te sugar até não poder mais, todas as tuas novidades, todas as tuas culturas misturadas numa grande metrópole. Quem vem para cá consegue entender melhor o Brasil, e toda essa mistureba.

Vim com o coração em Belém, ainda pendurado nas mangueiras, prestes a cair. Vim pensando nas praias, nas ilhas do norte, no que eu não vou poder mais tocar, sentir e amar. Vim carente de meus grandes amigos, meus companheiros. Vim amando uma pessoa, troquei-a por São Paulo. Mas não porque eu quis, troquei por um sonho maior, um sonho desde criança. Uma vontade de crescer, de ser reconhecida e ter mais felicidade.

Vim amando alguém, aquele barbudo, aquele paraense que me entende no silêncio, me entende no olhar. Ao som de “Não se apresse não, que nada é pra já, amores são sempre amáveis. Futuros amantes”. Faz tempo que eu não sentia algo tão puro, tão belo. Mas tudo o que eu quero é ser melhor, acreditando que terei dias muitos maiores e eternos ao lado do meu amado. Terei, eu sinto isso. Mas não será agora, e fico desesperada. Gritei, chorei, bati a mão na parede, pensei também em me arrepender. Mas não, a vida tem suas explicações absurdas, e Deus escreve certo com linhas um pouco tortinhas.

Agora a minha vida é São Paulo e a minha crença no agora, que em breve será ao lado dele, do vermelhinho, e bem perto de meus queridos amigos. Uma dia quem sabe será mais feliz. Eu recomendo.

…Aí começo a lembrar de ti. Basta eu ter qualquer tipo de crise dessas pós-modernidade, dessas que oscilam entre depressão, tpm, crise existencial, bipolaridade, tanto faz. O que eu quero mesmo é um pretexto pra lembrar de ti. Quando encontro um, puxo todos os gigabytes de memória, passo a mão num cigarro e pego um licor. Lembra do meu favorito? Licor de amaretto, que você insistia em dizer que parece com algum adstringente bucal. Ligo o som. Melhor que isso, escuto um vinil. Vale ouvir aquele disco da Elis que sempre ouvíamos, fazendo uma massa. Qual é mesmo a sua favorita? Acho que é raviolli. Tanto faz. Essa parte da lembrança fica distorcida. Já que era na hora de cozinhar que nós mais liberávamos a nossa louca libido na cozinha. Lembra quando a gente deixou queimar um spaghetti ao pesto, por que esquecemos dele no fogo? Lembro da nossa gargalhada. Nus e com fome. Saciamos outra que pra nós sempre foi mais importante. Gargalhadas… não consigo ter nenhuma gargalhada sem lembrar de ti. Você dizia que minha gargalhada oscilava entre uma psicótica e uma menina do interior. Nunca entendi essa tua metáfora. Eu sempre fui tão boa em entender meus amores, mas você?! Tem horas que acho que ninguém no mundo te lê como eu. Eu te leio. Uma leitura daquelas a lá Hilda Hilst ou Florbela Espanca. Um misto de dor, sexualidade, desequilíbrio, sei não. Paixão desvairada. Falta de ar. Sal de lágrima e suor. Acabou o cigarro. Termino aqui. “Existem mais mundos. Ou altos ou fundos. Entre eu e você”